Carta aberta ao TRT/RJ sobre a troca de suíte de escritório

Não vou tecer comentários. O que o Jomar diz basta. Meu único objetivo é mostrar o apoio desse blog (além dos meus outros blogs, o +4 e o Aulas de C) ao Jomar e a perplexidade pela atitude tomada.

Foi com perplexidade e tristeza que li hoje a notícia de que o TRT/RJ está trocando a suíte de escritório em software livre BrOffice pelo software proprietário MSOffice, alegando “…limitações,
principalmente em relação ao intercâmbio de informações e arquivos com
órgãos do Poder Judiciário e instituições públicas…
” e ainda que “ …O MS Office é um padrão mundial…”.

Não vou comentar aqui sobre a decisão de não utilizar um Software
Livre, desrespeitando a atual política definida pelo Governo Federal de
utilização prioritária de Software Livre, mas faço questão de registrar
meu questionamento sobre a alegada “falta de compatibilidade” dos
arquivos gerados pelo BrOffice.

Gostaria de iniciar esclarecendo aos responsáveis por tal decisão no
TRT/RJ de que os documentos gerados pelo BrOffice são gerados no padrão
ODF (OpenDocument Format), que além de ser um Padrão Aberto, é ainda uma Norma Internacional – ISO/IEC 26.300 (portanto um VERDADEIRO “Padrão Internacional”) e uma Norma Brasileira, a NBR ISO/IEC 26.300:2008.

O ODF está sendo adotado cada vez mais por governos do mundo todo
como o padrão de armazenamento de informações governamentais,
principalmente por garantir a longevidade no armazenamento das
informações e por não ser dependente de uma única Suíte de Escritório,
sendo suportado atualmente por uma extensa lista de soluções em software incluindo softwares livres e proprietários.

O ODF é desenvolvido de forma totalmente aberta e transparente por um consórcio internacional (OASIS ODF TC) e seu desenvolvimento conta atualmente com inúmeras empresas
como Adobe, Boeing , Google, IBM, Intel, Microsoft, Nokia, Novell e
Oracle, entre outras, além de especialistas do mundo todo, como este
brasileiro que lhes escreve.

A adoção crescente do ODF no Brasil pode ser vista pela lista de signatários do Protocolo Brasília,
um documento publicado em Diário Oficial onde empresas e organizações
se comprometem publicamente com a adoção e promoção do padrão ODF. A
lista de signatários
do Protocolo Brasília, que atualmente envolve mais de 2 milhões de
usuários no Brasil, é composta por empresas e órgãos públicos como
SERPRO, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Ministério das
Relações Exteriores, Marinha, Exército, Aeronáutica, DATAPREV,
Correios, INPE, INPI, Itaipu Binacional, ITI, SLTI, CELEPAR, Petrobrás
e Cobra Tecnologia, entre outras.

O Governo do Estado do Paraná sancionou em 2007
uma lei que trata da utilização de ODF como formato de armazenamento de
informações de documentos governamentais e um projeto de lei semelhante
está em análise atualmente no Congresso Nacional (PL-3070/2008).

A arquitetura e-Ping (Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico), documento que “…define
um conjunto mínimo de premissas, políticas e especificações técnicas
que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação
(TIC) no governo federal, estabelecendo as condições de interação com
os demais Poderes e esferas de governo e com a sociedade em geral…
“, em sua versão mais recente,
descreve o Padrão ODF como “ADOTADO”, enquanto sequer cita os formatos
proprietários .DOC, .PPT e .XLS e seus sucessores .DOCX, .PPTX e .XLSX,
indicando de forma clara à todo o governo e sociedade que a
recomendação oficial do Governo Federal é a utilização do ODF. Os
formatos .DOC, .XLS e .PPT já foram citados em versões anteriores da
e-Ping e sua utilização foi substituída pelo padrão ODF.

Gostaria ainda de sugerir aos membros do TRT/RJ que entrem em
contato com o TRT da 13° região, pois eles utilizam com sucesso o
BrOffice e o padrão ODF e até onde sei é o único TRT onde 100% dos
processos são eletrônicos no Brasil. Lembro-lhes ainda que nova versão
do padrão ODF (ODF 1.2) tem suporte a assinaturas digitais compatível
com a ICP-Brasil, funcionalidade extremamente importante para o
Judiciário Brasileiro.

Tendo em vista o exposto, gostaria de solicitar aos responsáveis no
TRT/RJ a revisão de tal decisão, pois considero que a decisão é
retrógrada e deixa, mesmo que de forma involuntária, a mensagem de que
as Normas Brasileiras não devem ser respeitadas por todos, o que torna
desnecessário o intenso trabalho de normalização que nós brasileiros
realizamos no Brasil e no cenário Internacional.

Coloco-me desde já á disposição do TRT/RJ para esclarecer os
benefícios da adoção do Padrão ODF e quaisquer outras dúvidas que
tiverem sobre este assunto.

Jomar Silva

Diretor Executivo – ODF Alliance América Latina

Sobre Fábio Emilio Costa
Linux, Free Software, EMACS, Rugby, Indycar, Doctor Who, Harry Potter... Yep, this is me!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s