Blogagem Coletiva – Não ao Projeto de Lei de Censura à Internet

Hoje, dia 15/11, o Brasil comemora mais um Dia da República, um dia a se pensar sobre as liberdades que possuimos, conquistadas no passado com suor e sangue.
E uma dessas liberdades está para nos ser vilipendiada, ao menos na Internet, por meio de um substitutivo do Senador Eduardo Azeredo (PSDB/MG) que, por trás de uma intenção legítima (proteger a Internet da Pedofilia), ameaça desenvolver o vigilantismo ao mundo cibernetico, com graves conseqüências à liberdade de expressão e ao livre acesso aos bens culturais, direitos fundamentais da Carta Magna brasileira, e sem acrescentar nada de útil para o combate aos cyber-crimes.
Esse projeto de lei, sob o aval de órgãos cuja a luta não está relacionada aos direitos humanos ou ao combate à pedolifia e parceira dos lobbies internacionais da Propriedade Intelectual, em sua mais ampla tentativa de transformar a cultura em negócio e de se apropriar de todo o conhecimento e o tornar propriedade de alguns poucos, institui mecanismos draconianos de monitoração do tráfego do usuário na Internet e pesadas punições a qualquer um que tente “esquivar-se” das restrições impostas pela legislação, mesmo para usos legítimos (como assistir DVDs que você adquire legalmente em um sistema operacional Linux, uma vez que ele utiliza uma biblioteca chamada DVDCSS, que pode também ser usada para ripar DVDs para pirateá-los via Internet).
Como disse anteriormente nesse blog, considero essa uma lei não apenas desncessárias, uma vez que, pelos meus conhecimentos e pelas opiniões que tive de especialistas, o nosso país já possui mecanismos legais mais do que suficientes para prover as necessidades para obtenção de provas e tipificação de crimes. E como cito no email enviado aos Deputados Fedaris do Estado de São Paulo, o perigo dessa legislação é justamente cortar um canal de comunicação poderoso que nos pode oferecer belas coisas, como bandas como Cansei de Ser Sexy, O Teatro Mágiico e como a Compositora Malu Magalhães, que conseguiram demonstrar suas qualidades musicais sem precisar do “crivo” (leia-se jabá) das grandes gravadoras e dos grandes meios de comunicação, graças a Intrenet e a divulgação de músicas via MP3, o que está para se tornar um crime graças à legislação do Excelentíssimo Senador.
Analisarei aqui essa lei em algumas questões já analisadas, tentando as extrapolar ao máximo de conseqüências possíveis. Em alguns momentos poderei estar beirando a paranóia, mas prefiro nesse caso pensar no pior caso, uma vez que uma lei tão amplamente especificada, de maneira tão frouxa e potencialmente permissiva a múltiplas interpretações que eu prefiro fazer o máximo de interpretações possíveis.

A Ferro e Fogo:

Um dos problemas que ainda não foi tão citado nesse projeto é que ele cria uma discriminação ,pois ela “abole” a discriminação entre conteúdos legais e ilegais dentro da rede baseadas em determinadas mídias, ou seja, ela “anula” o fato de um conteúdo poder ser legitimamente produzido e distribuído via Internet e baseia a legalidade ou não meramente no formato de arquivo utilizado. Por exemplo, os arquivos MP3 estarão condenados, não interessando se são músicas distribuídas ilegalmente (como CDs “vazados”), legalmente (músicas que o próprio artista distribuiu, como o caso da banda mineira Pato Fu que em seu site distribui músicas que não foram incluídas em seus CDs) ou até mesmo MP3 não relacionados a músicas (como podcasts, palestras e ringtones). Desse modo, segundo os moldes dessa nova lei, existe um perigo sério de que qualquer conteúdo distribuído segundo determinados formatos possam vir a ser “criminalizados”, independente da legalidade ou não do “conteúdo” propriamente dito ser legal ou não.
Não existe nenhuma preocupação por parte do Excelentíssimo Senhor Eduardo Azeredo em entender o funcionamento básico da Internet para saber que não existem ainda mecanismos totalmente eficazes para impedir totalmente o tráfego de conteúdos ilegais e nem a caracterização dos mesmos. Correndo o risco de ser tecnicista, para a Internet, tudo se resume a bits e bytes: uma página, uma música clássica gravada por uma orquestra amadora disponibilizada, por exemplo, no Classic Cat, ou o CD mais novo do funk carioca vazado na net.
Essa tratativa do tipo “ferro e fogo” tem conseqüências terríveis para a Internet: jogara os usuários em uma “zona de incerteza” e irá tratar algo em torno de 60% de todos os usuários de Internet como criminosos em potencial (pela legislação atual, piores que corruptos e quase tão criminosos quanto seqüestradores ou traficantes de drogas, se considerarmos a legislação penal e cívil vigente).


Via Peão Digital

Cortesia com o Chapéu Alheio:

Outra prerrogativa a ser avaliada por tal legislação é que ela cria o conceito do “provedor xerife”: segundo a legislação em questão, o provedor deverá (1) gravar os registros de todos os usos da internet por parte de todos os seus usuários, com um período de “retenção” de 3 anos, (2) devem alertar à autoridades policiais qualquer suspeita de uso da Internet para distirbuir conteúdo ilegal e (3) que a pessoa, ao se cadastrar, deverá informar todos os dados legais, como Nome, Endereço, Telefone, RG, CPF, etc…
Bem, existem algumas questões aqui.

  1. Quem pagará a conta da infraestrutura de log?
  2. Como essa informação será trabalhada?
  3. Como essa informação será “disposta” (destruída) após o período de 3 anos?
  4. O que caracteriza uma “suspeita de uso da Internet para distirbuir conteúdo ilegal”?
  5. Quais são os mecanismos legais a serem criados para impedir o abuso desses mecanismos com o fim de prejudicar outras pessoas?
  6. Como fica o direito constitucional de uma pessoa “não gerar provas contra si mesma”?

Bem, acho que aqui podemos quebrar um pouco as coisas e responder essas questões uma a uma:

  • Quem pagará a conta da infraestrutura de log?

Pela lei será o provedor de acesso à Internet, sendo que a não existência de tais logs provocará sanções de ordem penal ao provedor.
Bem, isso a lei deixa claro.
Mas pela letra da lei a coisa fica ainda mais complicada: pela lei da oferta e da procura, norma capitalista, obviamente que tal custo (que deveria pertencer ao Estado) será repassado ao consumidor. Só que a coisa fica ainda pior pois não existe nenhuma parte dessa lei que defina qual provedor de acesso é que deve manter essas logs. Portanto, existe a possibilidade por essa lei de que provedores de backbone, como Telefonica e Embratel tenham que elas próprias manterem eses logs, o que gerará custos que serão repassados aos provedores que (obviamente) repassarão por sua vez ao consumidor. Ou seja, o “estado policialesco” criado por essa lei será pago por mim e por você que lê e o ônus da geração da prova crime sairá das mãos do interessado (como grandes bancos e ISPs).

  • Como essa informação será trabalhada?

Bem, esse é um dos caráter que na letra do papel parece extremamente simples, mas que algum conhecimento da informática comprova que é algo sem pé nem cabeça.
A geração de um log é algo extremamente simples: em muitos casos, um banco de dados com uma estrutura simples e de leitura razoavelmente rápida (normalmente apenas um arquivo texto puro) é povoado (termo técnico para preenchido) por registros que caracterizam uma conexão. Normalmente não são informações excessivas (cada registro provavelmente não teria mais que algumas dezenas, talvez centenas, de bytes). A análise desse log envolveria apenas a análise simples dos dados procurando informações específicas que comprovassem qualquer uso ilegal.
Antes que pensem que isso é impossível, na verdade esse tipo de análise de logs é prática comum em empresas para análises de uso voltadas à performance e capacidade de ambiente.
O problema é que toda a coleta será feita para cada acesso IP. Cada conexão IP será registrada, sendo que um mero acesso ao Google pode gerar uma quantidade significativa de acessos por segundo. Existem pessoas que questionam a validade dessa preocupação:
Ainda o PL 84/99 | the brain is a machine

Ainda acho essa choradeira por causa de log de provedor uma coisa infundada. Não é como se provedores e telecentros fossem quebrar da noite para o dia por guardar logs. Por exemplo, arquivo de texto (log) de 1G compacta para 100M usando bzip2. Em um DVD então cabem uns 40 dias de log, coloca que se gasta um DVD por mês para guardar log, 3 anos são 30 dvds… E olha que 1G de texto é coisa pra caramba. Chuta que você vai logar hora, origem, destino e GMT, isso daria uma linha de 30-40 caracteres, então 1G de texto guarda uns 25 milhões de acesso. Não é pouca coisa não. Levando em conta que essas contas eu fiz em cima do log do proxy do meu trabalho, que é um lugar com umas 1500 máquinas acessando a internet 24/7.

Bem, de qualquer modo, mesmo que seja fácil fazer a operação exigida para o registro e manutenção dos logs, como se dará o processamento? Como será processado, por exemplo, esses 30 DVDs de logs compactados com 46G de logs (descomprimidos) cada? Existe aqui um caráter que pouca gente pensa: aqui a questão passa a não ser mais apenas o armazenamento de tal volume de informação, mas também sua utilização. Basta pensar-se no processamento do IRPF: cada arquivo do Imposto de Renda tem algo em torno de 30Kbytes (basta olhar os arquivos de backup de sua Declaração para ter uma idéia). Se pensarmos que 30 Milhões de pessoas mandam algo em torno disso, e que leva-se tanto tempo para receber-se as restituições, perceberemos que existe uma questão de processamento que não foi considerada.

  • Como essa informação será “disposta” (destruída) após o período de 3 anos?

Aqui existe um perigo: o período de retenção mínima por lei é de 3 anos, mas não existe nada na lei em questão que indique como essa informação deverá ser “disposta” após esse prazo mínimo.
Aqui surgem riscos sérios da tentação de provedores se utilizarem dessa informação para obterem informações sobre os “hábitos de navegação” dos usuários, o que seria possível, ainda que complexo, alimentando-se esses dados em ferramentas conhecidas de data mining e afins. Com tais “perfis”, os provedores teriam informações altamente “apetitosas” a empresas de marketing (legítimas e não tão legítimas), seguradoras e outras empresas que possam fazer uso dessa informação. Sei que isso é paranóico, mas como não existem mecanismos legais, não existe como impedir, ao menos em teoria, que tais informações sejam “usadas contra você”.

  • O que caracteriza uma “suspeita de uso da Internet para distirbuir conteúdo ilegal”?

Essa é uma coisa importante: como se define suspeita? Teremos cyber-vigilantes (obviamente, pagos por nossa mensalidade de internet) contratados para nos vigiar? Os provedores se tornarão no Ministério da Verdade de 1984 por força da lei? Nós denunciaremos uns aos outros? Como diferenciar as suspeitas realmente válidas daqueles casos do “menino que gritava lobo” ou dos que são feitos intencionalmente com o objetivo de prejudicar às pessoas?

  • Quais são os mecanismos legais a serem criados para impedir o abuso desses mecanismos com o fim de prejudicar outras pessoas?

Reflexo das duas questões anteriores, quais serão os mecanismos para responsabilização do mal uso ou abuso dos mecanismos da lei em questão para atividades não-previstas na lei? Poderei processar meu provedor por invasão de privacidade se ele, tentado, utilizar os logs para produzir um “dossiê” sobre mim para uma seguradora ou empresa de marketing? E mais: como fazer isso se a legislação já pressupõe de certo modo que sou um criminoso?

  • Como fica o direito constitucional de uma pessoa “não gerar provas contra si mesma”?

Um dos princípios legais mais importantes segundo o Direito atual é que ninguém é obrigado a gerar prova contra si próprio, o famoso “você tem o direito de permanecer em silêncio”. Porém, uma das obrigatoriedades da lei é manter um registro das suas informações de acesso, que por sua vez implica no fato de que você estará aceitando as normas da lei em questão, inclusive o registro do log, o que obviamenbte quererá dizer aceitar “gerar prova contra si mesmo”! Ou seja, esse direito constitucional está sendo enviado para o ralo.

Quis Custodiet ipsos custodes?

Como podemos ver é que uma das grandes perguntas é quem guardará os guardiões? A lei não possui nenhum mecanismo, por mais rudimentar que seja, prevendo penalidades para os abusos do uso dessas. Ou seja, estamos correndo o risco de sermos vítimas de abusos de poder por parte de interesses comerciais (ou não) que possam restringir nosso acesso à cultura.
Bem acho que já me prolonguei, ainda mais se somar-se o que já disse anteriormente nesse blog. Desse modo, termino aqui esse blog, mas não sem antes deixar uma série (enorme) de links contra e a favor dessa lei (pois acredito que cada pessoa deve pensar por si própria) e uma última reflexão que li em um dos outros posts participando da blogagem coletiva:
O TERROR DO NORDESTE: XÔ CENSURA!

Na verdade, segundo o proprio Castells, os governos querem controlar o que fazemos, o que pensamos, querem controlar nossos cerebros. A midia de massa paulatinamente vem perdendo este papel, ela já não consegue regurgitar as verdades que habitarão nossas mentes, estamos ficando mais críticos, estamos ouvindo uma diversidade de opiniões e tirando nossas proprias conclusões, mas isto sim de fato é um grande perigo para qualquer regime totalitário.
Por estas e por outras que você deve mostrar que tem opinião propria, e mesmo que não seja igual a nossa, mas deve publicar no dia 15 de novembro um post contra o vigilantismo, contra o totalitarismo e a favor da liberdade e privacidade, a favor da neutralidade da internet e da união dos povos.

Por fim, lembro que existe uma petição Online com mais de 120 mil assinaturas repudiando esse Projeto de Lei, e que você pode mandar mensagem direta aos deputados do seu estado pedindo repúdio a essa PL (e se tiver sem idéias do que escrever, pode copiar o meu, apenas mudando para seu nome e informações).

Links:


Sobre Fábio Emilio Costa
Linux, Free Software, EMACS, Rugby, Indycar, Doctor Who, Harry Potter... Yep, this is me!

4 Responses to Blogagem Coletiva – Não ao Projeto de Lei de Censura à Internet

  1. Pingback: Hoje é dia da blogagem politica - Não ao vigilantismo « Xô Censura !

  2. Pingback: Rapidinha: O povo do meu serviço na Flashmob Contra a Lei Azeredo « Linux… e mais coisas

  3. Pingback: Veja tudo o que foi escrito na II Blogagem Política Coletiva contra o vigilantismo na Internet « Mundo véio sem portera!!

  4. Pingback: Campus Party 2009 - Resumo da Ópera (Longo) « Linux… e mais coisas

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s