Meio-Bit e a polêmica das traduções em SL

Eu tenho que admitir que até gosto de ler o Meio-Bit: o Cardoso parece de certa forma o similar brasileiro do John C. Dvorak (colunista norte-americano que publica colunas na Info brasileira), com um certo teor de trollagem no qual pode estar uma preocupação verdadeira. Isso é algo de se admirar nele.
Mas acho que às vezes até mesmo isso passa dos limites.
Recentemente ele postou no Meio-Bit um artigo com um nome no mínimo provocativo: Quer ajudar o Software Livre? Esqueça o Babelfish. O artigo até tem uma opinião bastante relevante, ainda que não possamos concordar: é o problema relacionado com a diferença entre tradução e localização. Mas o problema é que o tom do artigo, mais o próprio retrospecto do autor, mais uma série de outras questões compromete o que ele diz:

Quer ajudar o Software Livre? Esqueça o Babelfish | Meio Bit

No caso das traduções, temos um agravante: São de péssima qualidade. Um desenvolvedor de um projeto Open Source pequeno não tem mão-de-obra para certificar uma tradução. Se for um idioma pouco-familiar então, está na mão de quem “colaborou” com a versão.

Acho que o agravante aqui não é a péssima qualidade, o tamanho do projeto ou qualquer catzo que o seja, e sim na real é o fato de que as pessoas ainda não entenderam (provavelmente como o Cardoso) que a programação não é a única forma de colaborar com Software Livre. Ou seja, ou programo ou não colaboro.
Embora seja programador formado, vou admitir que não sou um super-programador, um über-hacker de códigos. Mas acho que conheço bem inglês e português. Quando tomei conhecimento do projeto Babelzilla (um projeto que fornece um site e ferramentas para tradução de extensões dos software do Mozilla), decidi começar a participar. Já tinha feito a tradução de uma extensão simples (a Add Bookmarks Here), então decidi procurar alguma na qual pudesse ajudar. Acabei pegando uma das mais importantes extensões atualmente, a Scribefire (ferramenta de edição de posts para blogs do Firefox). Antes que pensem que é fácil, mesmo ela sendo localizada e tudo o mais, são mais de 300 strings para traduzir com cuidado com termos e consistência. Não é um processo fácil e a cada novo release, novas strings relacionadas a novas funcionalidades surgem e precisam ser traduzidas.
A questão aqui é que existem formas razoavelmente simples de participar-se desse tipo de projeto e apoiar traduções, sobre as quais falarei adiante.
Vejamos o que o Cardoso diz a seguir:
Quer ajudar o Software Livre? Esqueça o Babelfish | Meio Bit

Tradução, aliás, que não é só rodar uma série de strings no Babelfish, colar de volta, enviar e dizer “eu sou desenvolvedor Open Source”. Parte do esforço deveria incluir localização, mas aí entra mexer em código, e os 99% lá de cima não têm competência pra isso.

Aqui é importante também que os desenvolvedores colaborem para tornar o software localizável. No caso do Firefox e das suas extensões, existem ferramentas de código que tornam o software localizável. Diferentemente do que se prega, localizar um software não é uma questão também de criar-se códigos com compilação condicional para os vários idiomas. Um software localizável tem que ter um mecanismo de:
  1. Identificar o “idioma preferido” do ambiente em questão;
  2. Carregar arquivos de localização específicos para o idioma em questão e;
  3. Substituir determinadas strings pelas informações contidas em um arquivo de localização;
  4. Modificar e corrigir determinadas características idiomáticas para o “idioma preferido” (por exemplo, no caso do japonês, chinês e hebraico, entre outros, onde a leitura dos conteúdos é feita da direita para a esquerda, o texto e a posição dos elementos de tela devem ser invertidos);

OK… Aqui temos uma questão interessante sobre como tornar o software localizável. Consultando a Internet, achei esse artigo no Guia do Mochileiro. Esse artigo comenta um pouco do processo de transformar o software em localizável. É um processo que depende de todos os lados e que é feito para ser “independente”, ou seja, o tradutor não precisa ser parte da equipe de tradução e vice-versa.
Agora, qual a dificuldade?
Na verdade, a dificuldade é justamente coisas como a que o Cardoso coloca e que o Vladimir Melo comenta:
Conheço alguém que prejudica o software livre « Vladimir Melo

(…) Ele faz críticas duras à tradução de software livre e encerra afirmando absurdamente: “Afinal pro usuário não importa se a janelinha está em inglês ou português, essencial é que ela faça alguma coisa.”

(…)Ele ou qualquer outra pessoa deveria pesquisar na internet durante meia hora para conhecer os projetos de tradução e saber (inclusive pelos usuários) o quanto eles têm melhorado tecnicamente. (…)

Por exemplo, as pessoas que vão a um hipermercado e compram um computador popular não têm obrigação de saber inglês (e muitas vezes não sabem). O fato de um aplicativo estar traduzido ou não faz toda a diferença para que elas o usem. Mas certamente este blogueiro não tem consciência de que sua atitude afasta colaboradores e dificulta o nosso trabalho de recrutamento e divulgação.

A questão é que, pela exposição do Cardoso, uma pessoa deveria se preocupar apenas em programar SL. A verdade é que, embora isso seja importante (1) não é fácil de ser feito e (2) tira foco.
O programador de SL tem que ser visto como programador, e o tradutor como tradutor. Se você não possui habilidade como programador, não há problema: o mundo do SL possui espaço para todo tipo de envolvimento, seja desenvolvimento, documentação, tradução, artes ou evangelização. Escolha uma área onde você sinta ter proficiência e vá em frente. Bug report, relato de problemas com a tradução e por aí afora também é importante. Não se sinta acanhado: existe MUITO ESPAÇO para atuar-se (aproveito e me coloco à disposição de qualquer usuário do Scribefire para comentários sobre a tradução para o português brasileiro).
Agora, tenho que concordar com a citação do Vladimir acima: o que o Cardoso diz no final do seu artigo é, no mínimo, irresponsável:
Quer ajudar o Software Livre? Esqueça o Babelfish | Meio Bit

Você vai colaborar muito mais com o Open Source (e com seu futuro profissional) se ao invés de sair chutando traduções automáticas agora, se preparar por uns 2 ou 3 anos e entrar produzindo de verdade. Afinal pro usuário não importa se a janelinha está em inglês ou português, essencial é que ela faça alguma coisa. (grifos meus)

Dizer isso é irresponsável pois no Brasil muitas pessoas mal sabe ler, escrever e compreender o português direito, quanto mais o Inglês, que é um idioma que, por mais que os anglófonos queiram dizer, é cheio de nuances e detalhes específicos. Colocar um software em inglês, à exceção de software altamente especializado (como programação, CAD e afins) ou em jogos (onde o inglês se resume praticamente a “Press Start”, à exceção de jogos no estilo RPG) é algo que eu diria no mínimo temerário. Mesmo a MS percebeu isso e com o passar do tempo passou a localizar todos os seus softwares para outros idiomas além do inglês. Não adianta o software fazer algo se o usuário não sabe o que ele faz, e simplesmente adestrar o usuário em “Clique aqui, clique aqui, clique aqui…” não resolve o problema básico, que é o fato de ele não saber o que cargas-d’água ele está fazendo.
Não tiro alguns méritos do artigo do Cardoso, e ressalto aos usuários de SL: se perceberem coisas estranhas em traduções, COMENTEM JUNTO ÀS COMUNIDADES OU DESENVOLVEDORES!!! A maior parte dos software mais importantes possuem comunidades específicas para a tradução (Ubuntu LoCo Teams, os projetos de localização do Debian como o Debian Brasil, Babelzilla, BrOffice.org, etc…) e elas são receptivas com os interessados (sei disso pela recepção que tive dos desenvolvedores do Scribefire), oferecendo todos os recursos para aqueles que desejarem aprender, assim como listas onde pode-se discutir termos adotados até que um consenso seja obtido. Se você souber um pouco mais de programação, prepare software para ser localizado (o artigo da Wikipedia citado anteriormente serve de bom ponto de partida). Acima de tudo participe!
Mas também tenho que afirmar que o artigo do Cardoso, apesar de tudo isso, foi de um mau-gosto atroz, e de um nível de temerariedade incrível. Vou me abster de comentar mais sobre o artigo per se, pois creio que o fundamento dele já foi desfeito aqui.
De qualquer modo, fica a sugestão aos novatos: participem. Aos veteranos: ajudem os novatos, por favor!

Sobre Fábio Emilio Costa
Linux, Free Software, EMACS, Rugby, Indycar, Doctor Who, Harry Potter... Yep, this is me!

3 Responses to Meio-Bit e a polêmica das traduções em SL

  1. Renato disse:

    Cara, eu não leio esse blog não mas… fui lá ver e tenho que concordar com o cara pelo menos em parte.
    O que tem de tradução mal feita por aí é fora de sério, uso o Debian e não foram poucas as vezes que me deparei com o tipo de pérola que ele mostra lá.

    não concordo com o comentário que ele fez no final mas eu diria que:
    Sabe traduzir, colabore, não sabe… não estrague.

  2. Renato disse:

    Bem, como o assunto é tradução, baixei o scribfire, a partir da sua dica, e encontrei um erro em uma das janelas.

    Como não encontrei o seu email para contato vou postar aqui: na janela para upload de imagens (upload não traduzido !?) esta insirir na caixa e no botão, quando o correto seria inserir. Se precisar salvei a tela.

    Abraço,

    Renato

  3. Marcelo Vilar disse:

    Boa crítica Fábio, mas eu acho que o que o Cardoso gosta de fazer mesmo é provocar, pois assim ele gera discuções e encrencas nos comentários de seus posts! Mas um editor de blog me disse, a internet tem liberdade de expressão!

    Abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s